9:00 - 18:00

Segunda à Sexta-feira

(41) 3524-9094

Agende seu horário

Facebook

Linkedin

Pesquisar
 
CR Advogados > Direito das Famílias  > EXISTEM CONSEQUÊNCIAS PARA QUEM ABANDONA O LAR?

EXISTEM CONSEQUÊNCIAS PARA QUEM ABANDONA O LAR?

Quando a relação entre o casal está muito desgastada, é comum que um dos cônjuges decida sair do lar. Mas isso, por si só, configura abandono de lar? Quais são as consequências para quem abandona a casa?

É natural que esse assunto gere muitas dúvidas em razão do temor em perder o imóvel caso exista a saída de casa. Apesar disso, conforme vamos ver nesse artigo, é apenas com um ato de vontade de um dos cônjuges, sem justo motivo e com a intenção de não mais retornar para casa, que é possível a perda do imóvel por aquele que abandonou o lar.

De outro modo, se não estiverem configurados esses requisitos específicos, nenhum dos cônjuges perderá quaisquer de seus direitos adquiridos com o casamento. Por isso, e para que os direitos das partes sejam respeitados, a consulta a um advogado especializado em Direito de Família em caso de divórcio é fundamental.

Afinal, o que é abandono de lar?

Em primeiro lugar, é importante perceber que não existe uma definição objetiva do que é considerado abandono de lar. Mesmo assim, a justiça entende que para sua caracterização devem ser preenchidos os seguintes requisitos:

  1. O ato de abandono deve ser voluntário. Ou seja, o cônjuge ou companheiro que abandonou a casa deve ter feito isso por vontade própria. Caso tenha existido uma expulsão, o abandono de lar não é caracterizado;
  2. Deve haver a intenção definitiva de não retornar mais ao lar. Mas, muito cuidado com esse requisito: não é possível que se configure o abandono no caso daquele cônjuge ou companheiro que sai e retorna de tempos em tempos para casa;
  3. A saída do lar deve ocorrer sem justo motivo. Aqui também é importante ficar atento, pois alguém que é constantemente agredido e deixa a casa, por exemplo, não pode ter caracterizado o abandono de lar.

E quais as consequências desse abandono?

No ano de 2011, foi incluído no Código Civil o art. 1.240-A, que permite que o cônjuge que foi abandonado possa adquirir o domínio integral do imóvel que era do casal, desde que sejam atendidos os seguintes requisitos:

  1. Deve existir posse direta e exclusiva do imóvel pelo abandonado por dois anos sem interrupção;
  2. Não pode existir qualquer forma de oposição por aquele que abandonou;
  3. O imóvel deve ser urbano e ter até 250m²;
  4. A propriedade, que era dividida com o ex-cônjuge ou ex-companheiro que abandonou o lar, deve ser usada para a moradia do abandonado ou de sua família;
  5. O cônjuge ou companheiro abandonado não pode ser proprietário de outro imóvel urbano ou rural.

Importante lembrar que a aquisição pelo abandonado será apenas do imóvel. Isso significa que a partilha dos demais bens seguirá o regime escolhido no casamento. Para entender melhor como funcionam os regimes de bens para a partilha , clique aqui.

Você está passando por uma situação semelhante ou se identificou com esse conteúdo? Entre em contato com um de nossos advogados

Telefone: 41 3524-9094 / WhatsApp: 41 9 9571-7031.

Sobre a Autora

Franciane Picelli é advogada, devidamente inscrita na Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Paraná. Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Paraná. É associada do escritório de advocacia Camargo & Radziminski advogados associados.

Fale com a Advogada

Nosso e-mail: [email protected]

Aviso Legal

Este artigo não pretende servir de aconselhamento jurídico e não substitui a consulta a um advogado.

Imagem de mastersenaiper por Pixabay

Nenhum Comentário

Deixe um comentário